Dança – teatro
M/6

FEVEREIRO 2023

CENTRO CULTURAL DE LAGOS

dias 23 e 24 às
10h30 | 15h30

dia 25 às
16h00

Espetáculo

Alice no País do Lixo é um fabuloso espectáculo dirigido aos mais jovens, com metas de sensibilização ambiental e cívica. Sofia Brito, diretora artística da AORCA, convidou a artista brasileira Maria Clara Villa Lobos, residente na Bélgica, a vir a Lagos desenvolver e estrear esta peça, numa nova versão em português. As apresentações artísticas vão se articular com um programa educativo associado, em colaboração com o Projecto Novas Descobertas, na quinta de permacultura Vale da Lama da Lama, com a intenção de sensibilizar as gerações mais novas acerca das consequências da sociedade de consumo que nos leva a criar sempre mais e mais desperdício no planeta, poluindo os nossos oceanos, espaços naturais e urbanos do mundo inteiro, abrindo assim mais o diálogo sobre o tema do lixo, práticas regenerativas e acordando a urgência que o tema pede.

Esta criação de cruzamento disciplinar, inspirada no famoso conto de Lewis Caroll “Alice no País das Maravilhas”, é dirigida a crianças dos 6 aos 12 anos. 

A peça conta a história de Alice, uma menina de oito anos que vive num país desenvolvido. Como muitas meninas da sua idade, tem muitos brinquedos e coisas com que brincar, mas sendo filha única, ainda se aborrece sozinha. O que Alice realmente adoraria ter era um animal de estimação, um animal verdadeiro, não outro animal de peluche, como as dezenas que já tem mas no seu oitavo aniversário recebe mais um animal de peluche, um grande coelho branco. À noite, zangada e sentindo-se enganada, atira o brinquedo discretamente para o lixo e vai dormir. Arrependida acorda de repente e enquanto procura o coelho no caixote do lixo, cai dentro dele. Estranhamente, o caixote é muito profundo e Alice cai, cai e continua a cair até aterrar numa montanha de lixo… e assim começa uma aventura neste país imaginário – o País do Lixo.

Villa-Lobos leva o público nesta viagem ao mundo de resíduos e dos seus diversos aspetos, não apenas os negativos, mas também os criativos e transformadores.

Serviço Educativo

Para cada criação e espetáculo produzido pela AORCA, asseguramos ações de mediação cultural com o objetivo de otimizar a fruição do espetáculo e contribuir para o crescimento de novos públicos emancipados.

As crianças, os futuros adultos de amanhã, terão um papel essencial a desempenhar na transição para modos de produção e consumo mais sustentáveis que respeitem as pessoas e o ambiente.

Por isso, relativo ao espetáculo Alice no País do Lixo e para otimizar a fruição e reflexão que o mesmo propõe, a AORCA disponibiliza Oficinas do Espectador, realizadas nas escolas com marcação prévia. Estas oficinas assumem um caráter científico e artístico e serão facilitadas por Elodie Silva (bióloga e educadora). 

Também estará disponível online para download uma seleção de materiais didáticos para as famílias e docentes que acompanham as crianças ao espectáculo, introduzindo a peça e os seus temas.

Estarão disponíveis mais informações relativas ao Serviço Educativo da peça Alice no País do Lixo em breve.

Maria Clara Villa-Lobos

Natural de Brasília, Brasil, nasceu em 1972. Viajante desde os 3 anos de idade, parte para Berlim em 1989 para estudar ballet e dança moderna na Staatliche Ballettschule Berlin. Depois de se formar, trabalhou como dançarina freelance na Europa, a dançar com a Caprioli Dance Company e S.O.A.P. de Rui Horta. É então selecionada para o primeiro ano da P.A.R.T.S, a famosa escola de dança contemporânea de Bruxelas, dirigida por Anne Teresa De Keersmaeker. Trabalha para diferentes coreógrafos como Willi Dorner, Christine De Smedt e Les Ballets C. de la B., Sasha Waltz, Thomas Lehmen e Tino Seghal entre outros, enquanto cria seus próprios projetos desde 1997 com peças curtas como Home sweet home e Trio. Em 2002 MCVL cria a sua própria estrutura, a “XL Production” e desde então tem estado principalmente ativa como coreógrafa. O seu trabalho já foi apresentado em renomados teatros e festivais como Impuls Tanz em Viena, Festival Panorama no Rio de Janeiro, Bienal de Dança em Fortaleza, FID em Belo Horizonte, Théâtre de la Bastille em Paris, Les Hivernales, Théâtre des Doms em Avignon, The Place em Londres ou Dansens Hus em Estocolmo, entre muitos outros. Desde 2000, também é colaboradora frequente de “Bal Moderne”, criando várias coreografias curtas nesse quadro. É também professora certificada de Iyengar yoga e ensina regularmente dança e yoga para crianças no Dancing Kids em Bruxelas.

Ficha Técnica

DURAÇÃO aprox. 70 min.
CONCEPÇÃO Maria Clara Villa-Lobos
com Gaspard Herblot, Clara Henry, Clément Thirion e Antoine Pedros
INTERPRETAÇÃO elenco a audicionar no Algarve
FIGURINOS Anne Ruellan
DESENHO DE PALCO Isabelle Azaïs
COMPOSIÇÃO MUSICAL Max Vandervorst
PRODUÇÃO AORCA
CO-PRODUÇÃO XL Production e Câmara Municipal de Lagos

Apoios

O projeto conta com apoio da Arte & Ambiente de Direção-Geral das Artes, Junta da Freguesia de São Gonçalo de Lagos, Turismo do Algarve, Casa Vale da Lama, Projecto Novas Descobertas, Associação de Dança de Lagos, Messe Militar de Lagos e Moldopóli.

Reservas

AORCA | info@aorca.pt 

(+351) 936 781 791 / 914 308 424